Dica de Livro Dica de Livro: Número Zero, de Umberto Eco

“Os perdedores, assim como os autodidatas, sempre têm conhecimentos mais vastos que os vencedores, e quem quiser vencer deverá saber uma única coisa e não perder tempo sabendo todas. O prazer da erudição é reservado aos perdedores. Quanto mais coisas uma pessoa sabe, menos coisas deram certo para ela.” Da obra Número Zero, de Umberto Eco.

No dia 5 de janeiro de 1932 nascia, em Alessandria, na Itália, Umberto Eco - escritor, filósofo, linguista, semiótico e bibliófilo. Além de lecionar em universidades como Bolonha, Columbia, Harvard, College de France e Toronto, ele também já colaborou em diversos periódicos acadêmicos.

No cenário acadêmico, na década de 1960, ficou conhecido pelos seus estudos sobre a cultura de massa. A partir da década de 1970, passou a centrar seu foco quase que exclusivamente da semiótica.

Eco é autor de vários romances como O nome da rosa, O pêndulo de Foucault e este, que foi seu último. Número Zero é um romance que critica o jornalismo sensacionalista e sem escrúpulos: a famosa imprensa marrom.

Todo mundo se sente apto a criticar a imprensa, porém quase sempre me deparo com avaliações de senso comum. Pura repetição do que se ouve falar e zero conhecimento de causa. Quer entender sobre nossos podres? Pergunte aos próprios jornalistas. Segundo Eco, esse foi o livro mais fácil e rápido de escrever, pois se inspirou em suas próprias experiências ao longo de sua vida de repórter dentro de redações.

Um dos pontos altos do livro são as surreais reuniões de pauta, orquestradas por um editor inescrupuloso, ensinando como fabricar notícias e manipular os leitores. Nada parecido com a vida real, não é?